Junte-se a 16348 pais comprometidos com uma melhor educação para seus filhos. Receba nosso E-Book (Grátis) e tenha acesso a artigos e dicas imperdíveis.

Psicóloga, especialista em psicopedagogia e possui 12 anos de experiência na área da educação.

Baixe E-book Grátis

Fases Do Desenvolvimento Infantil

Para falar das Fases do Desenvolvimento Infantil irei recorrer a um dos autores mais conhecidos sobre esse tema –  Jean Piaget, que estudou detalhadamente todas as fases do desenvolvimento da criança e a psicogênese do conhecimento. Além de suas obras, muitos autores fazem referência aos seus estudos.

Para PIAGET o conhecimento não está no sujeito, nem no objeto exclusivamente, mas na interação indissociável entre ambos. A criança entra em contato com o objeto, experimenta-o por meio de seus sentidos, usa-o de todas as formas e define-o pelo uso que faz dele. A inteligência estrutura-se elaborando formas de adaptações progressivamente mais complexas. O ato de conhecer precisa de conteúdos externos para que se efetive, sendo assim, implica a necessidade e a possibilidade de trocas entre o sujeito e o meio físico, social, natural e cultural.

Dessa forma, a criança que possui ambiente limitado, que não favoreça a interação entre o sujeito e o objeto, e adultos que não estimulem adequadamente, podem sofrem déficit na aprendizagem, mesmo que não apresentem deficiência biológica.

Jean Piaget explica através da psicologia genética, que a criança desenvolve-se a partir do momento que começa a interagir por meio de ações cognitivas concretas, ou seja um processo de construção de estruturas lógicas sobre os objetos ao seu redor. Este autor classifica o desenvolvimento intelectual/cognitivo das crianças em etapas ou estágios, sendo que em cada fase obedece a uma seqüência e tempo de permanência determinados pelo qual a criança vai dos conceitos básicos para o complexo, como sendo cada fase pré-requisito para a próxima:

Sensório-motor (zero a dois anos): Nesta fase a criança explora o mundo através dos sentidos, isto é, ela precisa tocar, provar os objetos. Nesse estágio as ações geralmente não são intencionais, a aprendizagem ocorre “acidentalmente”, por reflexos.

Período Pré-operatório (dois a sete anos): Corresponde ao período da educação pré-escolar. Esta fase apresenta alguns estágios diferenciados: estágio egocêntrico (dois a quatro anos) e estágio intuitivo (cinco a sete anos). Aparece a função simbólica, isto é, os objetos começam a serem representadas por símbolos: um cabo de vassoura é cavalo, uma cadeira empurrada é um trem, etc. É uma fase fortemente egocêntrica (a criança se vê como o centro de tudo que acontece ao seu redor) e caracteriza-se pela irreversibilidade, ou seja, a criança considera que todos pensam como ela. A noção de espaço, adquirida por volta de dois anos, antecede a noção de tempo, surgindo por volta dos quatro anos. A criança também não consegue ainda entender transformações, mesmo que elas ocorram na sua presença. 
Período Operatório Concreto (sete a onze anos): A criança já consegue usar a lógica para chegar as soluções da maior parte dos problemas concretos. Entretanto, sua dificuldade aumenta quando se trata de lidar com problemas não concretos.

Período Operatório Formal (onze a quinze anos): O pensamento lógico já consegue ser aplicado a todos os problemas que surgem (o que não implica dizer que todo adolescente é totalmente lógico nas suas ações). Piaget também destaca que o desenvolvimento das operações mentais depende de um meio rico de estímulos. Em um ambiente adequado e propício, a criança desenvolve suas potencialidades, favorecendo assim não só seu crescimento físico, como o emocional e o social.

 Fases Do Desenvolvimento Infantil

Sobre o autor Fernanda Spengler

Psicóloga, especialista em psicopedagogia e possui 12 anos de experiência na área da educação.

15 Responses to Fases Do Desenvolvimento Infantil

  1. Lucilena disse:

    Minha filha tem 9 anos. É uma criança estudiosa, participativa, solidária, saudável, sociável, amiga de todos, querida. Relaciona-se bem com os colegas, mas gosta de conversar com adultos. Entretanto sofre bullying. Primeiro foram críticas físicas, depois “perda” de objetos pessoais e agora esbarros, trombadas, empurrões… Com minha solicitação já houve duas intervenções da escola mas para conversar sobre o porquê disso e para voltar a amizade. Creio que os pais da “agressora” não tem conhecimento e, logo que ela esquece volta o problema. Oriento minha filha a manter-se longe, afastar-se quando percebe más intenções e avisar um adulto quando há um problema. Não sei se isso é o correto. Será que você poderia escrever algo sobre este assunto que pudesse ajudar minha filha? Obrigada

    • Olá Lucilena!

      Infelizmente essa questão tem aumentado entre crianças e adolesdentes em idade escolar. É uma situação é complicada e o melhor caminho é justamente esse: O acolhimento e a presença dos pais para ajudar na superação. Ainda não tenho material pronto sobre esse tema, mas com certeza anotarei na lista de prioridades. Acompanhe nosso blog, logo postarei novidades. Obrigada pelo contato! Abraços 

      • Lany disse:

        Ola Lucilena!

        Meu filho apresenta algumas dificuldades, como po exemplo, os conteúdo que ele estuda para fazer as avaliações escolar, por mais que sai de casa preparado para fazê-la, não alcansa um bom resultado, pois se esquce de praticamente tudo que estudou. isso me deixa preocupada, pois, ele tem apenas quatorse anos de idade, eu não sei o que fazer para ajudá-lo.

         

        • Oi Lany! Se puder, faça uma avaliação com psicopedagogo(a). Ele poderá identificar se há problemas de aprendizagem (memória, concetração…) ou alguma questão emocional (ansiedade, por exemplo) e intervir de forma adequada. O processo educacional do seu filho será mais tranquilo e a sua contribuição como mãe, também! Grande abraço

  2. Patrícia disse:

    Meu filho tem 3 anos e 7 meses e começou a gaguejar bastante. Levei-o ao médico (pediatra) e ele disse que até 5 anos é normal, mas estou muito preocupada com ele. Gostaria de uma orientação. 

    • Oi Patrícia!

      Existe uma fase que a criança pode apresentar gagueira, que é de certa forma normal. Mas sugiro que você observe seu filho, em quais situações aparece e qual frequência. Não deve se estender por muito tempo. Caso você perceba que este comportamento vem aumentando ou que é mais intenso em situações especificas é interessante procurar um profissional que possa fazer uma avaliação específica, seja fonoaudiologo ou psicologo (no caso de estar relacionaodo a questões emocionais). Mantenha-me informada! Aguardo as novidades! Abraços

  3. Camila Souza disse:

    Bom dia Dr. Fernanda estou fazendo minha monografia e é sobre o desenvolvimento infantil e gostaria de fazer uma citação sua em meu trabalho sobre as fases do desenvolvimento infantil, e gostaria de saber  o ano que voce publicou essa materia no site. Desde já agraeço 

    Abraço Camila !

  4. Suellen Gomes Claudino disse:

     boa tarde Fernanda . 

    Sou estudante de psicologia e estou fazendo um trabalho sobre crinaças com toc e gostaria de saber se poderia me responder algumas perguntas sobre o assunto ? 

     

    Desde já muito obrigada . 

    • Oi Suellen, no momento estou me dedicando a responder questões de pais e escrevendo textos sobre educação e psicologia. Se precisar pode utilizar meus textos como referência, mas no mometno não consigo atender sua solicitação de entrevista. bom trabalho. Abraços.

  5. Camila Souza disse:

    Obrigada Dr. Fernanda assim que eu termina ou mando sim uma copia .

    Abraço Camila 

  6. valesca disse:

    Meufilho mais velho tem 8 anoséuma criança superinteligente,tem um coração de uma bondade enorme,mas eu mim preocupo muito com ele pois ele é muito ansioso e nervoso,em casa é super extrovertido mas em público fica muito tímido…O que eu devo fazer?

     

    • Oi Valesca! Tente observar ao máximo o comportamento do seu filho e aplicar as técnicas do nosso e-book. Se necessário, procure um profissional que possa avaliar os comportamentos e indicar o melhor caminho.

  7. Jeanne disse:

    Olá Camila

    Meu filho tem nove anos e muita dificuldade em manter a concentração. É extrovertido e muito comunicativo, porém nas avaliações e atividades escolares e de casa não mantém o foco. Gosta de fazer várias coisas ao mesmo tempo.

    • marciele disse:

      Oi, tenho uma filha de 2 anos e 8 mesês ,ela é muito agitada ,quando deita as perninhas não param , estou preocupada ,em algumas situaçoes não sei como agir ,até na hr de alimentar ela fica dificil, ela não para, gostaria de dicas, obrigada!

  8. Olá Camila!

    Que bom poder contribuir com sua formação. Este artigo foi atualizado em janeiro/2014.

    Abraços! Se puder, mande-nos uma cópia do seu projeto!

Responder